13 de setembro de 2008

PINTURA E ESTILO GÓTICO


Se algum estilo parece englobar tudo quanto distingue a Idade Média, do mundo clássico da Grécia e de Roma, esse estilo é certamente o Gótico. Mas esse estilo arquitetônico se difere na França, na Inglaterra, na Bélgica, na Alemanha, na Itália, na Espanha por absorverem influências de outras culturas. 

Partindo da arquitetura do século XII, o gótico era ditado  quase exclusivamente para fins religiosos. Na Itália, foi Giotto, pintor da época da transição, entre o gótico e o Pré-Renascimento , que estabeleceu novos critérios.

E foi em pleno Renascimento que se deu a classificação de gótico ao estilo das belas catedrais construídas nos séculos XII e XIII em moldes aparentemente bem diverso das basílicas românicas.

Atribui-se a Jorge Vasari, escritor da época e discípulo de Michelangelo, a difusão do termo, com o sentido de censura, que envolvia o mais belo estilo arquitetônico da idade Média. Desse movimento saiu a nova designação daquela arte que passou a ser 'ogival' (arco quebrado) um dos elementos de que sua estrutura era composta. (foto abaixo).

Entre os anos de 1200 a 1400 a pintura européia pode ser caracterizada pela libertação de duas influências dominadoras: a dos mosaicos e ícones bizantinos, muito convencionais e rígidos, e a das miniaturas – ilustrações feitas à mão dos livros medievais. 

O Relicário de São Taurino 1240-53 (abaixo), em prata e cobre dourado com placas de esmalte. Alt., 7- cm Igreja de São Taurino / Normandia. Ilustra a transição verificada nesse tipo de objeto, em meados do sé.XIII. Era concebido como tumba, e passou a inspirar-se na forma de igrejas ou capelas.



À medida que a sociedade européia começa a emergir da economia agrária e artesanal da Idade Média, para alcançar a economia manufatureira e mercantilista da Renascença, começam também a desaparecer as formas artísticas correspondentes que na pintura se expressavam justamente pelos estilos românico e bizantino. Ao vitral, no entanto, pertencem as maiores honras da pintura gótica. 



O pintor gótico do norte da Europa era bastante analítico e, pela veemência do sentimento religioso, muito simbólico e formador de imagens da realidade. Porém estava voltando gradualmente à observação da natureza, à representação realista do mundo à base de sensações. Não era mais o místico bizantino ou românico que representava a realidade à base de idéias religiosas carregadas de simbolismo. Voltou a transmitir a ilusão de espaço e do volume, aplicando a perspectiva, o claro e o escuro, assim com maior realismo na paisagem e nos movimentos do corpo.

No último período da arte gótica, as formas tornaram-se rebuscadas e miúdas  aproveitado-se de folhas de salsa,  de couve, da chicória e outras, para temas de ornamentação. 

Na última fase da pintura gótica, nos anos de 1400 a 1500, apareceram os pintores pré-renascentistas. Distinguiam-se pela progressiva libertação do convencionalismo bizantino e da minúcia oriunda das miniaturas. Os italianos Giotto (1266-1336) e Masaccio (1401-1428) antecipam essa libertação. 

Na transição da pintura gótica para a pintura renascentista ocorreram acontecimentos de enorme conseqüência na técnica de pintar: descobriram e aperfeiçoaram a pintura a óleo dissolvidas no óleo de linhaça. 

A pintura gótica tem as mesmas características da pintura bizantina e românica e é, na sua maior parte, substituída pelo vitral, maravilhosa criação do espírito medieval. (fig. abaixo)

A arte gótica é também chamada de Arte das Catedrais ou arte das Ogivas. Surge no final do século XII, na França. É Uma fusão de elementos clássicos, bizantinos e bárbaros. 

Giotto, como um dos maiores representantes do estilo gótico, tem como sua principal característica  a aproximação dos santos com o ser humano. Assim, a pintura de Giotto dá uma humanização do mundo até a chegada do Renascimento.

Suas maiores obras são os Afrescos da Igreja de São Francisco de Assis na (Itália) e Retiro de São Joaquim entre os Pastores.



Pintura Gótica / Espanha


Arcos Ogivais
Três elementos essenciais precisam reunir-se para que o estilo gótico se caracterize:
- o arco quebrado ou ogival
- a abóbada de arestas sobre cruzamentos de ogivas
- arco botante

Matriz de Espinho / Portugal
Ao vitral pertencem as maiores honras da pintura Gótica


Mais Arte Gótica no blog: AQUI

Fontes:
Estilos Artísticos - Armando de Lucena /Lisboa 1939 (raridade)
O Mundo da Arte - Ed.Expressão e Cultura / Mundo Medieval