14 de agosto de 2007

JOSÉ OROZCO

 A Epopéia da Civilização Americana  / Dartmouth                                  
 

- Tais Luso 

José Clemente Orozco, pintor mexicano, nasceu em 1833 em Guzmán e faleceu em 1949, cidade do México. Desenhista de arquitetura, litógrafo e pintor estudou na Academia San Carlos. Após a Revolução mexicana iniciada em 1910 – movimento anti-latifundiário e anti-imperialista – Orozco tornou-se caricaturista e ligou-se aos artistas Rivera e Siqueros, formando o trio dos pintores de Vanguarda - social e politicamente engajados. Em seguida compôs cartuns políticos e cenas de bordel, numa veia de sátira social. Datam da mesma época seus famosos desenhos em aquarela, O México em Revolução, que tinha como objetivo provocar no povo analfabeto, profundas reflexões.

Seus grandes murais, de perspectivas dramáticas e trabalhados em tons fortes, retratam o sofrimento do povo indígena do México ao longo da conturbada história do país. Em 1922 deixou as aquarelas para se dedicar aos afrescos. Desiludiu-se com o Socialismo por causa da carnificina causada pela revolução mexicana 1910-1921.

Em 1927 Orozco se mudou para os Estados Unidos onde viveu até 1934. Bem sucedido nessa época recebeu encomendas para criar vários murais, entre eles O Épico da civilização americana 1932 – 1934 e que retrata a história das Américas desde a imigração dos astecas para o México até a sociedade industrializada contemporânea. Os 24 painéis do mural cobrem 297 metros.

De volta ao México produziu suas melhores obras, como um Homem de fogo – 1936-1939, sua indiscutível obra-prima.

A arte de Orozco, ao mesmo tempo realista e monumental, tratada em grandes planos, em cores muito vivas, com luzes dramáticas, parece inspirada, em parte, pela escultura pré-colombiana. Ele era, sobretudo, animado por uma paixão social e política que atingia um lirismo épico impressionante.

La Trinchera
katharsis
O Homem de Fogo
Mural  Palácio de Jalisco
Palácio do Governo